Veronica Esteves | Psicoterapia e Coaching: semelhanças e diferenças
15658
post-template-default,single,single-post,postid-15658,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1200,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Psicoterapia e Coaching: semelhanças e diferenças

Ao olhar para o indivíduo sobre diferentes perspectivas, sejam elas biológicas, psicológicas, sociais e culturais, entendemos a existência de uma complexidade e dinâmica interna e externa, que caminham interligadas e interferem diretamente na formação e desenvolvimento das pessoas. Daí a presença de diversas áreas científicas, como psicologia, fisiologia, biologia, neurologia, neurociências, antropologia, sociologia, filosofia dentre outras, que conversam entre si e atuam com abordagens, técnicas e metodologias específicas para colaborar com o conhecimento humano.

A psicologia é a ciência que estuda os indivíduos e suas intervenções.  É aplicada em diferentes ambientes através de escolas teóricas distintas, cada qual salientando aspectos e visões sobre o ser humano. A Psicoterapia, no geral, caracteriza-se por trabalhar questões psicológicas do indivíduo visando o estado de equilíbrio dinâmico. Por estar associada à ideia de diagnosticar problemas, buscar soluções e/ou promover a cura de pessoas cujo sofrimento interfere e impactam significativamente no bom andamento da vida como um todo, a fim de fortalecê-las para que possam construir e assumir sua identidade. Ao promover conscientização e autoconhecimento, gerados, muitas vezes, pelo processo de análise e ressignificação de situações atuais ou vividas ao longo de sua vida, o indivíduo passa a fazer escolhas para seu momento presente e futuro com maturidade e responsabilidade, deixando para trás aquilo que não lhe cabe mais.

Logo, a Psicoterapia não fica apenas no passado. Em muitos momentos, ela anda por lá para entender, junto com o paciente, sua dinâmica psíquica, seus comportamentos e condicionamentos, para que possa “quebrar” algumas dinâmicas e conceitos que até então eram inconscientes e trazer à luz novas possibilidades de atuação no mundo. Ao fazer isso, ajuda o paciente no enfrentamento das dificuldades, propicia a ele um mundo de novas oportunidades e ações futuras, ampliando seu repertório como um todo. Por ser terapêutico o processo de psicoterapia costuma ser mais longo e permite aconselhamentos e interferências precisas.

Ao falarmos sobre Coaching, podemos também afirmar seu benefício para o desenvolvimento humano. Sem abordagem diagnóstica de um determinado problema e sem alcance terapêutico, está focado no desempenho de um indivíduo em um contexto e em relação a um objetivo profissional ou pessoal a ser alcançado. Por ser mais focado e não trabalhar as “adjacências” terapêuticas, o processo do Coaching costuma ser mais rápido envolvendo as pessoas de forma objetiva no estabelecimento de alvos bem definido, bem como na identificação de metas. Para isso mensura resultados e performance desenvolvendo habilidades comportamentais específicas voltadas para o alcance das metas estabelecidas. O Coaching leva o coachee a buscar novos entendimentos, alternativas e opções capazes de fazer com que ele amplie suas realizações e conquistas.

E aqui, talvez esteja a diferença entre Coaching e Psicoterapia.

Recebi há 2 meses um novo cliente para psicoterapia. Ele me foi encaminhado pela sua coach. Como profissionais conversamos e alinhamos o trabalho. Identificamos que havia questões emocionais que estavam impedindo a pessoa de prosseguir com resultados positivos no Coaching e na vida. Sem trabalhar estes “entraves” psicológicos dificilmente o cliente conseguiria seguir adiante. E a pergunta que nós profissionais, duas terapeutas e coaches, fazia era: até que ponto o Coaching dá conta disso e quando fazer um encaminhamento para psicoterapia?

Evidencia-se, cada vez mais, a necessidade dos profissionais atuarem com discernimento e fazer a indicação correta para cada caso entregando ao seu cliente aquilo que ele necessita e almeja.

Em ambas as abordagens, clientes desenvolvem habilidades comportamentais, adquirem consciência, autoconhecimento, descobrem e reforçam habilidades, competências e autoestima. Adquirem novos entendimentos, refletem sobre escolhas e  exploram as experiências subjetivas  capazes de fazer com que a pessoa descubra seu próprio caminho e se empodere.

A indicação para psicoterapia deve ser feita às pessoas que vivenciam algum tipo de sofrimento que interfere significativamente na sua vida como um todo, impedindo-o de crescer. É preciso trabalhar o cliente antes de impulsioná-lo para novos desenvolvimentos e habilidades que possam ser utilizadas na vida como um todo.

Coaching é indicado para pessoas que conseguem dar prosseguimento na vida, mesmo que haja algum conflito ou sofrimento envolvido. São pessoas que estão em busca de crescimento pessoal e/ou profissional e que de certa forma estão ok consigo mesmo, sem apresentar algum tipo de vulnerabilidade, entraves para superar barreiras ou desbloquear potenciais. Está a serviço de quem tem objetivos e quer realizá-los apoiando o cliente a continuar trilhando sua jornada pessoal e profissional.

Sabemos que, muitas vezes, enfrentar a si mesmo, construir e seguir com nosso desenvolvimento,  não é nada fácil e exige muita coragem, disponibilidade e dedicação. O cliente ao solicitar ajuda de um profissional, seja ele coach ou psicoterapeuta, deve estar ciente  de que a chave do sucesso está nele próprio. Não há mágica, nem milagres e muito menos bons conselhos. Deve haver muita abertura para desenvolver suas próprias respostas e identificar as barreiras descobrindo como superá-las.

3 Comentários
  • Claudia Feitosa-Santana
    Publicado as 21:33h, 23 janeiro Responder

    Adorei. Eh isso mesmo. Não existe milagre, não existe receita de bolo. Muitos procuram o caminho fácil na neurociência. Não existe. O caminho é longo e necessário assim como a meditação. Beijos.

  • George Lourenço
    Publicado as 17:07h, 01 fevereiro Responder

    Parece-me que coach é uma forma moderna de não-psicólogos poderem trabalhar no ramo da psicologia. E se ficar estabelecido que pode funcionar tão bem quanto o trabalho de um psicólogo, fica também provado que 5 anos de formação de psicologia é uma forma muito ineficiente de formar profissionais para lidar nesse tipo de terreno.

    • Veronica Esteves
      Publicado as 07:44h, 12 abril Responder

      George, são trabalhos distintos. O coach trabalha apenas com questões específicas, e objetivos pré-estabelecidos. Não tem como proposta trabalhar questões psicológicos que interferem na vida das pessoas como um todo. É preciso fazer a distinção bem feita para que indicações ocorram de forma correta e coerente de acordo com a necessidade do cliente. Existem pessoas que estão prontas e podem fazer coaching e obter sucesso. Outras, precisam e demandam um trabalho de psicoterapia e não de coaching.

Publique um Comentário

Conecte-se. Inspire-se. Interaja.